Proposta Editorial

 

A Revista Mare Nostrum – Estudos sobre o Mediterrâneo Antigo é uma publicação anual organizada pelo Laboratório de Estudos sobre o Império Romano e Mediterrâneo Antigo da Universidade de São Paulo (LEIR-MA-USP), grupo que congrega historiadores e arqueólogos cujas pesquisas se enquadram dentro de quase catorze séculos de história – do século VII a.C. ao VII d.C., aproximadamente – e que estudam sociedades ao redor do Mediterrâneo, não apenas as que se enraizavam nas regiões costeiras do mar, mas também aquelas que, em algum momento de seu desenvolvimento histórico, se envolveram com a região. Da cerâmica ática aos papiros alexandrinos, de Atenas à Gália, de Homero e Heródoto a Estrabão e Plínio, das termas pompeianas às revoltas judaicas ou às imagens de Alexandre... Não obstante a diversidade dos temas, metodologias, regiões e períodos estudados nas pesquisas individuais, um elemento une a todos: a indagação e a problematização dos processos de integração social no mar Mediterrâneo ao longo da Antiguidade. Assim, de maneiras diferentes, as pesquisas do grupo, "como formigas ou sapos ao redor de uma poça" (Platão, Fedon, 109b), se voltam para o Mediterrâneo.

 

A revista Mare Nostrum surge então como um veículo de divulgação de pesquisas e estudos relativos à História do Mediterrâneo Antigo, tendo os processos de integração das sociedades mediterrânicas como problema articulador. Tais processos não são vistos como um produto derivado da Natureza ou de um Devir necessário, mas como um fenômeno histórico secular. É possível interpretar esses processos de integração tendo como ponto culminante, em última instância, a construção do Império Romano. Nosso objetivo, no entanto, é também investigar as inúmeras possibilidades alternativas de organização social que ao longo dos séculos co-existiram (complementando, se contrapondo ou sendo aniquiladas) com o projeto imperial romano. Esse processo de integração e sua articulação espacial com o mar Mediterrâneo exige que seja investigado a partir de muitas perspectivas: como um problema historiográfico, sociológico, antropológico, linguístico, epistemológico, etc. Não é o objetivo desta revista afirmar o estatuto do Mediterrâneo Antigo como uma forma da História, ou seja, apresentar o Mediterrâneo Antigo como uma abstração descolada do desenvolvimento histórico, ou como uma categoria de recorte a priori cuja função é contextualizar geografica e cronologicamente os estudos mais especializados e de pequeno escopo metodológico e documental.

 

Mare Nostrum estará aberta para textos científicos de variadas formatações, desde publicações de resultados conclusivos de pesquisas, até pequenos ensaios teóricos e metodológicos, ou mesmo exercícios de reflexão out-of-the-box, uma vez que a necessidade de lidar com a ideia de integração de diferentes sociedades antigas de forma a não reificar ou teleologizar o Mediterrâneo como uma totalidade fechada exige certa ousadia experimental. Neste espírito, a Revista também busca contribuições das mais variadas áreas do conhecimento, não apenas de historiadores, tendo em vista a construção de um debate franco e aberto no cenário intelectual brasileiro de estudos sobre a Antiguidade.

 

A ambição desta Revista é propor uma agenda intelectual que busque uma compreensão da diversidade dessas e de outras questões conexas, associando consistência teórica e rigorosidade analítica, assim como uma predisposição para a franca discussão e troca de ideias, desenvolvendo programas de pesquisa e explicitando os impasses e limites suscitados pelo problema da integração das sociedadades ao redor do mar Mediterrâneo na Antiguidade.